Melhoria do desempenho escolar

Mães que melhoram suas habilidades de leitura podem contribuir para o sucesso acadêmico dos filhos, segundo estudos realizados na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos. Após analisarem 2.350 crianças com idades entre 3 e 17 anos, os pesquisadores concluíram que mães que leem e escrevem de modo claro e objetivo facilitam a assimilação de informações e aprendizado dos filhos, aumentando as chances de sucesso dos pequenos no futuro.

De acordo com os estudiosos, quanto mais cedo as crianças forem estimuladas de modo adequado, maiores as possibilidades de serem bons estudantes quando chegarem à universidade.

O que ler para as crianças?

De 1 a 2 anos: como nessa fase os movimentos chamam mais a atenção dos bebês, as histórias devem ser curtas e contadas com mímicas e movimentos. Fantoches e livros de pano e madeira com gravuras são boas opções.

De 2 a 3 anos: enredo simples, com poucos personagens e histórias contadas com variações de entonação na voz ajudam na compreensão. Incluir canções nas histórias também ajuda.

De 3 a 6 anos: livros com gravuras, que a criança deve visualizar enquanto os pais contam a história ajudam a nomear as coisas que circundam o universo dos pequenos, contribuindo para o desenvolvimento cognitivo e de linguagem.

De 6 a 8 anos: nessa fase a fantasia tem papel importante no desenvolvimento, por isso histórias clássicas como “Branca de Neve e os Sete Anões” e “João e o Pé de Feijão” são recomendadas. Peça à criança que leia e conte a história para você.

De 8 anos em diante: enredos mais sofisticados, como os das histórias de Monteiro Lobato (Narizinho e Sítio do Pica-pau Amarelo) e Ziraldo (Menino Maluquinho) são recomendados, bem como o clássico Alice no País das Maravilhas).

Fonte: Revista NA MOCHILA

Acesse, curta e compartilhe

Instituto Noa

Whats: (15)  99129-4846

contato@institutonoa.org.br

Al. Santos, 1165 - São Paulo - SP

Certificado Selo Social 2015
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon
  • Instagram

© por Instituto Noa. Todos os direitos reservados.