© por Instituto Noa. Todos os direitos reservados.

Acesse, curta e compartilhe

Instituto Noa

Whats: (15)  99129-4846

contato@institutonoa.org.br

Al. Santos, 1165 - São Paulo - SP

Certificado Selo Social 2015
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon
  • Instagram

Aceitar ou não a gravidez pode interferir na relação mãe-filho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O vínculo entre a mãe e o bebê, que começa durante a gestação, é fundamental para o bem estar da criança e ajuda a evitar a depressão pós-parto

 

A pesquisa “Nascer no Brasil”, coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), baseada em depoimentos obtidos nas maternidades brasileiras de 266 hospitais públicos e privados, aponta que 30% das entrevistadas não desejaram a gestação atual, 9% ficaram insatisfeitas com a gravidez e 2,3% relataram ter tentado interromper a gestação.

 

Esses números chamam a atenção para importância de se abordar esse tema nas consultas pré-natais e promover ações de apoio às gestantes, já que o acolhimento da mãe é fundamental para construção de vínculo com a criança e para diminuir os riscos de depressão pós-parto. Na primeira infância, período que vai da concepção aos 6 anos de vida, o elo que se estabelece entre mãe e filho, com pequenos gestos de afeto e cuidados, são registrados pelo bebê como uma situação de proteção e aprendizado e, no futuro, poderá ajudar na prevenção de problemas de comportamento e na aprendizagem no período escolar.

 

Anna Chiesa, Professora Doutora da Escola de Enfermagem da USP e consultora da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, alerta para a necessidade de se identificar, desde o começo da gestação, as dúvidas e condições emocionais dessa gestante e se a gravidez é desejada pela mãe. “O pré-natal é um processo que deve valorizar a participação da mulher e é importante oferecer informações sobre as modificações do corpo, o que acontece durante a gravidez e na hora do parto, e identificar a necessidade de apoio emocional e terapêutico”, explica Anna.

 

Por parte da população também falta entendimento a respeito da relação entre aceitação da gravidez e desenvolvimento infantil. Uma pesquisa realizada em 2012, pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV) em parceria com o Instituto Paulo Montenegro, a respeito da percepção da população sobre o que é importante para o desenvolvimento da criança nos três primeiros anos de vida, revela que apenas 14% dos entrevistados consideram a aceitação da gravidez pela mãe como fator relevante para o desenvolvimento do bebê. Muitas pessoas ainda acreditam que dentro do útero, o bebê está “isolado” do mundo, desconhecendo como emoções da mãe condicionam a vida daquele ser que está se formando.

 

Anna também alerta para o fato de existir ainda hoje a falsa ideia de que, quando a criança nasce, a mãe torna-se instintivamente mãe. “Acredita-se que as pessoas vão exercer a maternidade e a paternidade com uma competência que está ali, guardada. Falta ainda o reconhecimento da importância de elementos emocionais desde a gravidez: da mãe grávida, do pai grávido, da família grávida. Uma série de aspectos que não são contemplados no processo e que, de modo geral, não são ensinados nem aprendidos por quem faz o pré-natal”, explica Anna.

 

 

Fonte: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

Please reload