© por Instituto Noa. Todos os direitos reservados.

Acesse, curta e compartilhe

Instituto Noa

Whats: (15)  99129-4846

contato@institutonoa.org.br

Al. Santos, 1165 - São Paulo - SP

Certificado Selo Social 2015
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon
  • Instagram

Alerta para liberdade excessiva às crianças nas férias

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Especialista dá dicas aos pais para administrar concessões e regras


Férias escolares representam às crianças e adolescentes sair da rotina e alterar os horários para comer, dormir e brincar.  As mudanças, no entanto, não devem se tornar sinônimo de liberdade excessiva. 

É preciso manter o mesmo relacionamento que se tem durante o resto do ano. “Não terceirizem a criação dos filhos”, alerta a psicóloga Carolina de Almeida Agustinelli Primo.

Para a especialista, é necessário estabelecer com clareza quais são os limites que as crianças devem seguir durante as férias.

O período pede a mudança de algumas regras, como o horário de dormir e o tempo dedicado à televisão e ao videogame. Porém, é bom deixar claro que a mudança está restrita às férias e que os adultos continuam sendo os responsáveis por organizar a vida familiar. 

“É importante lembrar que, quanto mais velho o filho, maiores são as possibilidades de negociar com ele”, afirma. 

Muitas crianças passam as férias longe de casa, mas isso não exime os pais dos cuidados. Neste caso, é importante que fique claro que eles continuam sendo os responsáveis pelos filhos.

“A distância física não precisa significar uma grande separação e as crianças tendem a se sentir mais seguras com o afastamento temporário se a relação está bem estabelecida.”

Alguns filhos podem testar os limites e até se opor ao adulto. “Nessas horas, é fundamental que os pais entendam que educar e criar não são concurso de popularidade”, destaca a psicóloga. 

“Suportar a frustração dos pequenos, mesmo que isso signifique não ser a pessoa mais querida por eles por um tempo, é o caminho necessário para que eles desenvolvam sua própria capacidade para tolerar frustrações”, finaliza.

 

Fonte: Assessoria de imprensa do Iamspe.

Please reload