Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade atinge 5,8% da população


Apesar de ser mais comum em crianças e adolescentes, a persistência do TDAH em adultos chega a 50%

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é o distúrbio neurocomportamental mais recorrente na infância e na adolescência e, portanto, o mais estudado atualmente.

“O transtorno tem base genética, acomete cerca de 5,8% da população e é diagnosticado principalmente em crianças”, explica Paulo Breinis, médico responsável pela neuropediatria do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco e Hospital São Luiz Morumbi.

É possível identificar o TDAH a partir dos cinco anos, mas a maioria dos casos é diagnosticada quando os pequenos têm entre sete e oito anos. Na infância, a doença acomete mais os meninos, mas na adolescência, a prevalência é de dois para um.

Quem sofre de TDAH pode ter a prevalência de dois tipos de sintomas (desatenção ou hiperatividade). O mais comum, porém, é que o paciente sofra de uma combinação dos dois tipos de sinais.

Segundo o especialista, são exemplos de sintomas de desatenção: descuido em atividades escolares, falta de atenção a detalhes, dificuldade em se concentrar, em seguir instruções e em organizar tarefas. O paciente também costuma perder objetos com frequência e se distrair facilmente por algum estímulo externo à tarefa que deveria executar.

Os jovens que sofrem de hiperatividade se mexem o tempo inteiro, andam em sala de aula, escalam objetos, não conseguem ficar sentados durante as refeições, dão respostas precipitadas, falam em demasia e têm dificuldade para aguardar sua vez em filas.

“É importante orientar os pais e os professores em relação ao transtorno, uma vez que ele é para a vida inteira e não tem cura. Principalmente nas classes mais baixas, o TDAH ainda é subdiagnosticado”, afirma o neuropediatra.

Caso percebam esses sintomas nos filhos, Dr. Paulo recomenda que os pais levem a criança ao médico. Os especialistas mais indicados para fazer o diagnóstico são o neuropediatra, o psiquiatra infantil.

O tratamento ideal é realizado por diversos profissionais e combina a terapia cognitiva comportamental ao uso de medicamentos, que agem sobre os neurotransmissores e aumentam o tempo de atenção e concentração do paciente. Os mais utilizados são Ritalina ou Cocerta – nomes comerciais do metilfenidato - ou Venvanse, nome comercial da lisdexanfetamina, esclarece.

“Apesar de haver muito preconceito contra essas drogas, é preciso entender que elas têm um ótimo efeito. Entre 70% a 80% dos pacientes que utilizam os medicamentos têm sucesso no tratamento. A cultura do brasileiro de tentar não medicar pode fazer com que a criança ou o adolescente sofra demais. Apesar do TDAH não ter nada a ver com a inteligência, o jovem pode repetir o ano, ser vítima de bullying dos colegas, ficar com a autoestima baixa porque sofrerá uma série de derrotas na escola.”

Ocorrência em adultos

Antigamente, a doença era diagnosticada apenas em crianças e adolescentes. Nos últimos anos, porém, os adultos também têm recebido o diagnóstico e é praticamente igual o número de mulheres e homens que sofrem do transtorno.

“Normalmente, eles apresentam sintomas de desatenção, uma vez que com a idade, o componente da exacerbação da hiperatividade reduz. Há estatísticas de que a persistência do transtorno em adultos chega a 50%”, conclui.

Fonte: Assessoria de imprensa do Hospital São Luiz.

Acesse, curta e compartilhe

Instituto Noa

Whats: (15)  99129-4846

contato@institutonoa.org.br

Al. Santos, 1165 - São Paulo - SP

Certificado Selo Social 2015
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon
  • Instagram

© por Instituto Noa. Todos os direitos reservados.