Abaixar na hora de conversar com a criança aumenta a autoestima


Escutar a criança, na posição agachada, é um método eficiente para aumentar a autoestima dos pequenos, estabelecer a empatia e fortalecer o vínculo entre pais e filhos

Não é incomum vermos fotos do príncipe William, da Inglaterra, agachado ou ajoelhado em frente ao filho, o príncipe George, estamparem as páginas das revistas e dos jornais pelo mundo. Chamada de escuta ativa, a técnica não se resume apenas em posicionar-se no nível da criança, mas sim olhar nos olhos, responder às perguntas e ter uma atitude amorosa e respeitadora, sempre!

O termo se refere a uma prática de educação que preza pelo entendimento do outro por meio da palavra, dando a ele a chance de apresentar seus sentimentos e opiniões sobre algo. “A técnica tem o objetivo de facilitar o relacionamento entre adultos e crianças, através de uma comunicação mais assertiva. A partir dela pais e professores aprendem a 'escutar' com mais empatia e compreensão as necessidades que as crianças expressam através do choro, dos conflitos e dos sentimentos que manifestam”, explica Cássia Noleto, a coordenadora em Educação Infantil.

A ESCUTA ATIVA pode ser APLICADA desde o NASCIMENTO do bebê, quando é possível se atentar aos mais diversos TIPOS DE SINAIS que ele emite para expressar alegria, dor, medo etc. Porém, é no momento que a FASE ORAL se inicia quando se deve VALORIZAR AINDA MAIS A ESCUTA.

Modo de usar

Para executá-la, Sérgio Porfírio, especialista em educação e psicanálise da criança e do adolescente, alerta que é essencial que os pais estejam atentos ao que os filhos tenham a dizer e abdiquem de qualquer traço de autoritarismo, dando a eles confiança para se expressarem. "Colocar-se sentada frente a frente ou se abaixar para falar com a criança é um passo importante, diferente de pegá-la no colo, ato que por si só a coloca em um lugar de inferioridade, submissa. Além disso, é preciso olhar nos olhos, respondê-la com atenção e com linguagem clara", salienta Sérgio.

Benefícios & Vantagens

O professor de psicologia Luciano Gomes dos Santos ressalta como um dos principais benefícios dessa prática o fato de a criança se sentir valorizada e respeitada pelos pais. “Além disso, ela se sente cuidada e amada. Há o sentimento de que os pais não estão apenas de corpo presente, mas todo o seu ser se volta para ela nesse processo”, completa.

Quando os adultos se mostram atentos e interessados ao que os pequenos têm a dizer, reforça-se o vínculo e a confiança mútua. As crianças recebem a mensagem de que suas opiniões e perguntas têm relevância. “Muitos adultos, às vezes na pressa do dia a dia, acabam não prestando muita atenção a algumas perguntas das crianças e as deixam sem resposta, o que pode fazer com que os pequenos entendam que suas dúvidas são bobas ou desimportantes”, reforça a psicóloga Ane Caroline Janiro.

“Há de se ter CUIDADO em não CONFUNDIR esse MÉTODO COM LIBERDADE absoluta para a criança. Os PAIS são ASSERTIVOS, mas NÃO DEVEM se ESQUECER de estabelecer NORMAS e limites.”

Rodrigo Buoro

Mais decididas

Quando são ouvidas, as crianças desenvolvem a reflexão sobre as suas próprias atitudes e aprimoram a capacidade de tomar decisões. Segundo o psicanalista Rodrigo Buoro, elas passam a confiar mais nos adultos com quem convivem e tendem a minimizar a ansiedade frente ao desconhecido. Outra vantagem do método está no próprio desenvolvimento emocional da criança. “Ela aprende a ouvir e a escutar o outro. Aprende a respeitar as diferenças e a conviver com as pessoas que pensam diferente de si”, ressalta Luciano.

Os limites da conversa

Com a escuta ativa, o adulto precisa estar atento para não confundir abertura ao diálogo com falta de limites. Como em qualquer tipo de educação, as regras da casa e do convívio social devem estar bem estabelecidas para que as crianças possam crescer e se desenvolver de forma segura e equilibrada.

“A grande diferença é que a disciplina é aplicada de forma a não reforçar uma relação de medo e agressividade, mas sim de identificação das crianças com uma figura de autoridade que ela admire e respeite pelo bom exemplo, não pelas ameaças”, explica a psicóloga Ane. Na prática, a criança obedece pais e demais autoridades porque ela quer e consegue entender que deve fazer aquilo, e não é apenas por se sentir coagida a agir daquela forma. Trata-se de uma relação muito mais saudável entre obediência, compreensão e respeito mútuo.

5 pontos positivos da técnica

1. Desenvolvimento da autoestima da criança;

2. Fortalecimento do vínculo entre pais e filhos;

3. Reconhecimento da autoridade sem a existência do medo;

4. Desenvolvimento da autoconfiança dos pequenos;

5. Estabelecimento de empatia entre pais e filhos e professores e alunos;

Escuta seletiva x escuta ativa

Embora seja de responsabilidade dos pais tomar à frente da educação dos filhos, é preciso levar em conta que isso não significa guiá-los com autoritarismo e controle absoluto sobre as suas decisões. É por isso que a escuta ativa valoriza tanto a opinião do outro.

“Os pais podem e devem praticar a escuta dos seus filhos, diferentemente de uma escuta seletiva, onde só se ouve o que o adulto quer. Isso não significa perder a autoridade ou permitir que a criança domine a relação, muito pelo contrário, escutar ativamente, proporciona uma maior criação de vínculo entre pais e filhos e consequentemente respeito”, explica Sérgio Porfírio.

Fonte: Revista NA MOCHILA..

Acesse, curta e compartilhe

Instituto Noa

Whats: (15)  99129-4846

contato@institutonoa.org.br

Al. Santos, 1165 - São Paulo - SP

Certificado Selo Social 2015
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon
  • Instagram

© por Instituto Noa. Todos os direitos reservados.