Quase um quarto das crianças do mundo vive em países afetados por conflitos ou desastres, alerta UNI


Estima-se que 535 milhões de crianças – quase uma em cada quatro – vivem em países afetados por conflitos ou desastres, frequentemente sem acesso a cuidados médicos, educação de qualidade e proteção, disse hoje o UNICEF.

A África ao sul do Saara é o lar de aproximadamente três quartos – 393 milhões – do total das crianças de todo o mundo que vivem em países afetados por emergências, seguida pelo Oriente Médio e Norte da África, ondem residem 12% dessas crianças.

Esses novos dados estão sendo divulgados quando o UNICEF, no domingo 11 de dezembro de 2016, celebra 70 anos de trabalho sem descanso, nos lugares mais difíceis do mundo, para levar ajuda vital, apoio de longo prazo e esperança para as crianças cuja vida e cujo futuro estão ameaçados por conflitos, crises, pobreza, desigualdade e discriminação.

O impacto dos conflitos, desastres naturais e mudanças climáticas está forçando crianças a abandonar suas casas, prendendo-as nas linhas dos conflitos e colocando-as em risco de doenças, violência e exploração. * Cerca de 50 milhões de crianças estão "desenraizadas" – mais da metade delas foi expulsa de seus lares por causa de conflitos.

* À medida que a violência continua a crescer na Síria, o número de crianças sob cerco dobrou em menos de um ano. Aproximadamente 500 mil crianças vivem agora em 16 áreas sitiadas por todo o país, quase completamente privadas de ajuda humanitária e serviços básicos sustentados.

* No nordeste da Nigéria, perto de 1,8 milhão de pessoas estão deslocadas, destes, quase 1 milhão são crianças.

* No Afeganistão, cerca de metade das crianças em idade escolar primária está fora da escola.

* No Iêmen, aproximadamente 10 milhões de crianças estão afetadas por conflitos.

* No Sudão do Sul, 59% das crianças em idade escolar primária estão fora da escola e uma em cada três escolas está fechada em áreas afetadas por conflitos.

* Mais de dois meses depois que o furacão Matthew atingiu o Haiti, mais de 90 mil crianças com menos de 5 anos de idade continuam precisando de assistência.

As emergências enfrentadas hoje pelas crianças mais vulneráveis ameaçam minar os imensos progressos realizados nas últimas décadas: desde 1990, o número de crianças que morrem antes do quinto aniversário caiu pela metade e centenas de milhões de crianças foram retiradas da pobreza. As taxas de abandono escolar entre as crianças em idade escolar primária diminuíram mais de 40% entre 1990 e 2014. Apesar dos progressos significativos, crianças demais estão sendo deixadas para trás por causa de seu gênero, raça, religião, grupo étnico ou deficiência; porque vivem na pobreza ou em comunidades difíceis de ser alcançadas; ou simplesmente porque são crianças. "Não importa se as crianças vivem em um país em conflito ou em um país em paz, seu desenvolvimento é fundamental não apenas para seu futuro individual, mas também para o futuro de sua sociedade", disse o diretor executivo do UNICEF, Anthony Lake. Fonte: UNICEF.

Acesse, curta e compartilhe

Instituto Noa

Whats: (15)  99129-4846

contato@institutonoa.org.br

Al. Santos, 1165 - São Paulo - SP

Certificado Selo Social 2015
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon
  • Instagram

© por Instituto Noa. Todos os direitos reservados.